Paciente faltou sem avisar. Devo ligar?

Paciente faltou sem avisar. Devo ligar?

Baseado em 9 avaliações
  • 984 Alunos matriculados
  • 01 Hora de duração
  • 2 Aulas
  • 2 Módulos
  • 1 Avaliação
  • Certificado de conclusão
ASSINE JÁ

Obtenha acesso a este e outros cursos

"Excelente aula."
João
mais avaliações

Aula em vídeo de 1h 12 minutos. Acompanha roteiro de aula.

Assista em seu computador, Tablet ou Smartphone, onde e quando quiser. 


Existe uma situação muito importante na clínica e muito corriqueira. Alguns analistas, principalmente iniciantes, não se dão conta da relevância do assunto e agem de maneira equivocada sem perceber. 

A situação é a seguinte: um paciente falta sem avisar. 

Uma ocorrência aparentemente simples, mas com grandes implicações técnicas e pessoais. 

Muitos analistas ligam ao paciente para perguntar se "está tudo bem."

Mas será que o analista liga para saber se está tudo bem ou para aplacar sua própria angústia?

O analista deve ligar??

Veja abaixo sete situações possíveis de estar por trás de uma falta sem aviso. Na aula todas serão examinadas e o professor ira fundamentar por que ele acredita que só em dois casos se justifica ligar.


Possíveis motivos que levam um paciente a faltar sem avisar:


  1. O paciente foi totalmente absorvido por um evento muito significativo e inesperado. Por exemplo, sua mãe sofreu um infarto e ele passou o dia correndo e totalmente apavorado com a possibilidade dela morrer. 
  2. Algo aconteceu com o próprio paciente e ele está impossibilitado de ligar. Por exemplo, seu carro quebrou a caminho da consulta e ele está sem celular.
  3. O paciente, movido pela resistência, se esqueceu completamente da consulta e de avisar.
  4. O paciente sabe que tem consulta, sabe que vai faltar, e não se sente na obrigação e na necessidade de avisar o analista. 
  5. O paciente está com ódio consciente do analista. Falta de propósito e não avisa de propósito, com intenção de ataque ao vínculo. 
  6. O paciente não acredita que o analista tenha verdadeiro interesse por ele, acredita que o analista não dá a ele a menor importância, que é um peso para o analista e que este o atura por causa do valor que lhe paga. Sua ausência não será sentida, portanto não precisa avisar. Talvez falte para poupar o analista de ter que vê-lo. “Que diferença faz ir ou não ir se o analista pouco se importa? Contanto que eu lhe pague, não preciso ir.”
  7. O paciente está muito perturbado no atual momento de sua vida. Talvez tendo surtos psicóticos, tentativas suicidas, etc. Seu estado mental está tão comprometido que pode não ser capaz de ir à consulta. Ou a falta sem avisar é sinal de que desistiu de viver. Esse é o único caso o qual a justificativa de que o analista está preocupado para saber se está tudo bem é real e, portanto, deve ligar ao paciente..


Psicólogos.

Guilherme Magnoler Guedes de Azevedo
"Contato para Supervisão: 14-9.9772.3707"

   

Guilherme Magnoler Guedes de Azevedo CRP 06/70116 Psicólogo. Psicanalista Membro Filiado ao Instituto Durval Marcondes da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo SBPSP. Representante da Regional de Bauru da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo SBPSP. Representante dos Membros Filiados do Interior junto à Associação dos Membros Filiados da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo SBPSP. (2021). Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela UNESP Bauru. Fundador, Diretor e docente do Instituto Brasileiro de Psicanálise, antigo Instituto de Estudos Psicanalíticos de Bauru. Fundador da Livraria do Psicanalista. Fundador, Diretor e Docente do Canal do Psicanalista. Autor do Livro “Vínculo mãe-bebê e conflitos edípicos em crianças com Psoríase – um estudo de Psicossomática Psicanalítica, publicado pela Editora Zagodoni. Coordenador do Curso de Formação em Psicoterapia Psicanalítica do Instituto Brasileiro de Psicanálise.


Confira algumas dúvidas mais comuns sobre a emissão e validade do certificado: 

- Meu certificado emitido através deste site tem validação do MEC? 

Os cursos autorizados pelo MEC são de Graduação e Pós-Graduação e as Secretárias Estaduais de Edução autorizam cursos técnicos profissionalizantes e do ensino médio. Cursos online são classificados, por lei, como cursos livres de atualização ou qualificação, ou seja, não se qualifica como graduação, pós-graduação ou técnico profissionalizante. 

Os Cursos Livres, passaram a integrar a Educação Profissional, como Nível Básico após a Lei nº 9.394 - Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Essa é uma modalidade de educação não-formal com duração variável, a fim de proporcionar conhecimentos que permitam atualizar-se para o trabalho, sem exigências de escolaridade anterior. 

Educação é um direito de todos e é um incentivo a sociedade, previsto por lei na Constituição Federal. É com essa base que trabalhamos, incentivando a educação. Os cursos livres e os certificados tem validade para fins curriculares e certificações de atualização ou aperfeiçoamento, não sendo válido como técnico, graduação ou pós-graduação. 

- Meu certificado é aceito pelo CREA, CRC e CRM? 

Conforme citado acima, nossos cursos são de nível básico e livre, ou seja, servem para atualização e qualificação. Todos esses órgãos são de nível superior.

(Fontes: Secretaria de Educação de São Paulo e ABED)

Conteúdo Programático

  • 1. Paciente faltou sem avisar. Devo ligar?
  • 1. E se o paciente faltar na primeira entrevista?
  • paciente faltou sem avisar
Voltar ao topo